jusbrasil.com.br
6 de Julho de 2022

Estado indenizará professora de Concórdia humilhada por diretora de escola com expressões chulas

Jorge Henrique Sousa Frota, Advogado
há 26 dias


A indenização a docente será no valor de R$ 10 mil, acrescidos de juros e de correção monetária

Humilhada e constrangida pela diretora de uma escola de Concórdia, uma professora será indenizada pelos danos morais em razão do assédio sofrido no estabelecimento de ensino. A 5ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça, em matéria sob a relatoria da desembargadora Denise de Souza Luiz Francoski, confirmou o dever de o Estado indenizar a docente no valor de R$ 10 mil, acrescidos de juros e de correção monetária. A professora era constantemente humilhada com expressões chulas de cunho sexual.

Após meses de sofrimento e de choro pelo assédio sofrido em colégio público estadual, uma professora ajuizou ação de dano moral contra o Estado. Com a demonstração dos atos humilhantes que causaram sofrimento de ordem psíquica à professora, de forma reiterada e prolongada que evidenciam o assédio moral, o magistrado Marcus Vinícius Von Bittencourt reconheceu o direito à indenização.

Inconformados, as partes apelaram ao TJSC, mas todos os pedidos foram negados. Mesmo assim, o Estado ajuizou agravo interno. Alegou que não houve prática de ato ilícito, sob a justificativa de que as professoras tinham antipatia pela diretora, desde o início da gestão. Afirmou que não ficou demonstrado um assédio sistemático, e que as expressões hostis utilizadas eram recíprocas, por decorrência da animosidade existente entre as professoras e a diretora.

“Diante disso, não há dúvidas de que a conduta da diretora de escola não condiz com o cargo que ocupa, ainda mais se considerado o local de trabalho, um ambiente escolar, não se podendo admitir que atos vexatórios, humilhantes sejam praticados em local cujo objetivo é a formação de educandos, em que a conduta dos professores, orientadores e diretores deve ser exemplar”, anotou a relatora em seu voto.

A sessão foi presidida pelo desembargador Hélio do Valle Pereira e dela também participaram os desembargadores Artur Jenichen Filho e Vilson Fontana. A decisão foi unânime.

Fonte: TJSC

Informações relacionadas

Jorge Henrique Sousa Frota, Advogado
Notíciashá 26 dias

Uber deverá indenizar passageira assediada e ameaçada por motorista

Familiares de paciente entubada que morreu após pane em sistema de oxigênio serão indenizados

Hiromoto Advocacia, Advogado
Notíciashá 26 dias

Rol da ANS é taxativo, mas pode ser superado em casos excepcionais, diz STJ

Pitágoras Lacerda dos Reis, Advogado
Notíciashá 26 dias

Incorporadora é condenada a assumir IPTU/ITU antes da entrega de imóvel e a indenizar consumidor

Gabriel Soares, Advogado
Artigoshá 28 dias

Nova Lei permite que policiais e militares advoguem em causa própria

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)